Face

Procedimentos CirúrgicosFace

A face apresenta uma anatomia complexa. Entre suas múltiplas e delicadas estruturas, muitos são os procedimentos capazes de trazes mais equilíbrio às estruturas e também rejuvenescimento. Procedimentos funcionais também podem ser realizados. Destacamos:

CIRURGIA DE PÁLPEBRAS – BLEFAROPLASTIA

Compreende procedimento não apenas estético, mas também reconstrutor. Pode ser realizada em diferentes idades a depender da indicação. Em alguns casos, o excesso de pele nas pálpebras superiores trazem dificuldade de enxergar. Normalmente está associado a flacidez de tecidos conectivos e conjuntivos com protrusão de bolsa de gordura e queda de supercílios (bobrancelhas). O excesso de pele e flacidez em pálpebras inferiores pode trazer dificuldade de oclusão dos olhos com consequente ressecamento de córneas O reposicionamento de bolsas, ressecção de excesso de pele e elevação de sobrancelha deve ser feito de forma natural e sem estigmas. Quando realizada por profissional capacitado, a cirurgia das pálpebras traz olhar mais aberto e descansado. Em alguns casos é necessário tratar flacidez do tarso. Cirurgia denominada cantoplastia.

CIRURGIA DE QUEIXO – MENTOPLASTIA

A cirurgia que visa o aumento ou diminuição do mento chama-se mentoplastia. Em caso de hipomentonismo, pode ser realizado uso de prótese para aumento da projeção ou avanço do osso ou cirurgia ortognática em casos mais complexos

CIRURGIA DE RESSECÇÃO DE BOLA DE BICHAT – BICHECTOMIA

A bola de bichat ou bolsa de bichat é um compartimento de gordura que funciona como cochin de proteção da face desde a têmpora até próximo a mandíbula. A ressecção de parte deste compartimento de gordura visa modificar, afinar o rosto. O acesso é realizado através de pequena incisão por dentro da boca.

CIRURGIA DE ORELHA – OTOPLASTIA

A “orelha em abano” pode trazer desconforto estético desde a infância. O ideal é operar a partir de 9 anos de idade, quando a criança já é capaz de expressar sentimentos, apesar de já haver estabilidade de cartilagem após sexto ano de vida. A cicatriz fica posicionada em sulco atrás da orelha. Afecções de orelha causadas durante a vida como trauma, por exemplo, também podem ser corrigidas trazendo simetria e melhora de autoestima. Importante salientar que existem diversas técnicas para correção de orelha em abano, e em todas pode haver necessidade de refinamento, uma vez que a cartilagem auricular possui uma “memória”, ou seja a chance de recidiva na literatura é em torno de 10%

LIFTING FACIAL – RITIDOPLASTIA

Cirurgia que visa melhora de rugas faciais e sinais de envelhecimento através de reposicionamento de tecidos profundos, retirada de excesso de pele e volumização da face Feita em ambiente hospitalar, este é um procedimento longo e muito detalhado que deve ser individualizado. O desejo dos pacientes é por resultados naturais. E a principal queixa é de excesso de pele no pescoço e perda de contorno mandibular (“bochecha de bulldog”). Normalmente é realizado a blefaroplastia no mesmo ato cirúrgico.

LIFTING DE SUPERCÍLIO – ELEVAÇÃO DE SOBRANCELHAS

Com o passar da idade há queda principalmente da calda dos supercílios que dá um triste.  A ptose ou queda do supercílio pode ser tratado em procedimento cirúrgico por via  transpalpebral, ou seja, pela própria incisão da pálpebra, ou por acesso no couro cabeludo.

LIFTING CERVICAL – CIRURGIA DE PESCOÇO

Procedimento indicado quando há excesso de pele e flacidez dos tecidos profundos, principalmente o músculo platisma. Em casos em que há gordura localizada, realiza-se a lipoaspiração da região que pode ser feita de forma tradicional ou com lipolaser.

IMPLANTES FACIAIS

Os implantes da face são usados para melhoria de volumização. Pode ser de mento, mandíbula e região malar. Características faciais definidas, contornos visíveis e ângulos naturais que sejam proporcionais criam um equilíbrio estrutural `a face e uma aparência mais atraente.

TUMORES CUTÂNEOS – LESÕES DE PELE

Diversas são as lesões de pele que podem surgir na face ou já existir desde o nascimento. As mais comuns são as pigmentadas e benignas, mas podem ser malignas. Importante fazer uma avaliação das lesões periodicamente. Pois lesões que crescem ou mudam de cor devem ser avaliadas cuidadosamente.

A cirurgia de ressecção das lesões deve respeitar as características da patologia em questão e buscar o melhor resultado estético/funcional possível.